Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Aves marinhas protegidas do Mediterrâneo estão a ingerir cada vez mais plástico

Mäyjo, 04.02.15

Aves marinhas protegidas do Mediterrâneo estão a ingerir cada vez mais plástico

A poluição produzida através do plástico está a afectar cada vez mais os ecossistemas marinhos e pode ter vários efeitos nocivos De acordo com um estudo recente, além dos animais marinhos, também as aves marinhas do Mediterrâneo estão a ingerir plástico.

Frequentemente, as tartarugas, os mamíferos marinhos e agora também as aves, ingerem pedaços de plástico acidentalmente – porque confundem os objectos de plástico com potenciais presas. Estes fragmentos podem ferir ou obstruir o sistema digestivo destes animais ou libertar químicos tóxicos, que têm efeitos nocivos na saúde dos animais do ecossistema marinho do Mediterrâneo.

O mar Mediterrâneo é um local propenso ao risco causado pelos plásticos devido às grandes áreas industriais localizadas na costa da região.

Este estudo é o primeiro a analisar a ingestão de plástico por parte das aves marinhas do Mediterrâneo. Os investigadores recolheram cerca de 171 animais que ficaram acidentalmente presos nas redes dos barcos de pesca e acabaram por morrer, entre Maio de 2003 e Junho de 2010, ao longo da costa Catalã e da costa leste do Mediterrâneo. No total, foram recolhidas nove espécies diferentes. As aves foram dissecadas e o conteúdo dos estômagos foi recolhido e analisado.

Os resultados indicam que 113 aves, cerca de 66%, tinham pelo menos um pedaço de plástico no estômago. O tamanho médio dos fragmentos era de 3,5 milímetros e tinham um peso médio de 2,26 miligramas. Pedaços de garrafas ou caixas de plástico foram os vestígios mais frequentemente encontrados, seguidos pelos sacos e embalagens.

A cagarra-do-atlântico foi a ave mais afectada, com cerca de 94% dos animais recolhidos acusarem a ingestão de plásticos. As três aves mais afectadas pela ingestão de plástico pertencem à lista de espécies em risco.

Foto:  epSos.de / Creative Commons